Aquecimento global é o processo de aumento da temperatura média dos oceanos e da atmosfera da Terra causado por massivas emissões de gases que intensificam o efeito estufa, originados de uma série de atividades humanas, especialmente a queima de combustíveis fósseis e mudanças no uso da terra, como o desmatamento, bem como de várias outras fontes secundárias.

Essas causas são um produto direto da explosão populacional, do crescimento econômico, do uso de tecnologias e fontes de energia poluidoras e de um estilo de vida insustentável, em que a natureza é vista como matéria-prima para exploração.

Os principais gases do efeito estufa emitidos pelo homem são o dióxido de carbono (ou gás carbônico, CO2) e o metano (CH4). Esses e outros gases atuam obstruindo a dissipação do calor terrestre para o espaço.

O aumento de temperatura vem ocorrendo desde meados do século XIX e deverá continuar enquanto as emissões continuarem elevadas.

Aquecimento global. 4 Razões para ficar menos pessimista

Custo das energias renováveis caiu e já existe tecnologia para eliminar gás carbônico da atmosfera.

A velocidade do fenômeno foi superestimada

A meta mais difícil de ser atingida dentro do Acordo de Paris era limitar a 1,5 grau o aumento da temperatura do planeta até 2100, um cenário que muitos consideraram “impossível”.

No entanto, segundo estudo da Universidade de Oxford divulgado na última segunda-feira, a velocidade do aquecimento foi superestimada e as chances de a meta ser alcançada são 66% maiores do que se pensava.

Mas, para que isso aconteça, é preciso que os esforços para a redução das emissões de carbono cresçam, o que implica zerá-las até 2100.

As energias renováveis ficaram mais baratas

O custo das energias renováveis caiu 23% no mundo em 2016, e a capacidade instalada de plantas de produção energética não poluentes cresceu 10% no mesmo período. A China, o país com o maior nível de poluição, adquiriu mais de 100 gigawatts em plantas de energia solar — sendo 25% somente nos últimos seis meses.

As emissões de carbono se estabilizaram

A liberação de CO2 na queima de combustíveis fósseis se estabilizou nos últimos três anos, especialmente na China. O crescimento próximo de 0% alcançado em 2016 não tem precedentes — e é um primeiro passo para a meta de zerar as emissões de carbono. Até 2013, o crescimento médio das emissões era de 2,3% ao ano.

Já há tecnologia para eliminar CO2 da atmosfera

A eliminação de gás carbônico da atmosfera durante a produção de etanol é uma realidade nos Estados Unidos desde o primeiro semestre de 2017.

O processo consiste em capturar o CO2 emitido na produção do combustível feito de milho, induzir o gás a um processo de compressão e transportá-lo para armazenamento. Há ainda a possibilidade de depositá-lo em aquíferos salinos (lençóis de água subterrânea com água salobra não aproveitável).