O Premio Nobel de Química foi anunciado nesta quarta-feira dia 09 de Outubro de 2019. Os desenvolvedores  Akira Yoshino, M. Stanley Whittingham e John Goodenough das baterias de Lítio-Íon revolucionaram o mercado através dessa tecnologia.

As Baterias podem ser usadas em equipamentos de diversas aplicações, estudos, comunicação, mobilidade elétrica, carros elétricos, elas são usadas nas mais diversas aplicações até mesmo para armazenamento de energia de fontes renováveis.

O Prêmio que equivale aproximadamente R$ 3,7 milhões, além do prêmio os desenvolvedores ganharam uma medalha com silhueta de Alfred Nobel.

As baterias de íons de Lítio começaram a ser criada em 1970, durante a crise do petróleo, a busca pelo desenvolvimento de novas fontes de energia que não dependessem de combustão fóssil era necessário. Houveram estudos focados em supercondutores, após a criação de um eletrodo positivo junto ao eletrodo negativo de baterias de lítio, foi observado o grande potencial mas que ainda sim era necessário aprimorar essa tecnologia uma vez que ela era muito instável, sendo o primeiro modelo criado para produzir acima de 2 Volts.

Com a descoberta do Cátodo, Akira Yoshiro desenvolveu então a primeira bateria capaz de se comercializar em 1985, substituindo o lítio instável do ânodo por coque de petróleo, material de carbono intercalado com íons de lítio.