O armazenamento de energia será usado para ajudar nas operações ferroviárias.

Enel, empresa italiana do setor de energia, planeja instalar baterias de 10 megawatts-hora em ferrovias russas. Para os trens se movimentarem de forma mais rápida e suave ao longo da ferrovia.
Chamado de “sistema inovador de armazenamento” permitirá à rede ferroviária russa acomodar trens maiores e mais rápidos sem gastar dinheiro em atualizações de rede. O diretor executivo e gerente geral da Enel, Francesco Starace, assinou um contrato com o diretor-geral de Ferrovias da Rússia, Belozerov Oleg Valentinovich, no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, no mês passado. “Esta é a primeira vez que este tipo de tecnologia de bateria é usado no setor ferroviário”.

Contudo, o projeto usará baterias de íons de lítio e começará com um teste de três meses nos laboratórios a partir do final deste ano.
O teste envolverá uma única bateria em um ambiente controlado, uma vez ativo, o sistema usará Software para monitorar a demanda de energia em certas seções da rede ferroviária, das quais 27.000 milhas são eletrificadas na Rússia. O sistema mudará para as baterias se o consumo de energia dos trens exceder a capacidade do fornecimento de eletricidade, ajudando a manter os serviços funcionando mesmo durante períodos de pico e com maior frequência de serviço ferroviário, sendo que, as baterias serão instaladas perto dos trilhos e não nos trens, um dos objetivos do projeto será capturar e armazenar energia de frenagem regenerativa.

Até o momento, os projetos ferroviários movidos a armazenamento de energia tendem a se concentrar no uso de células de combustível de hidrogênio nos trens. O governo de Ontário, no Canadá, por exemplo, estuda a viabilidade do uso de células a combustível de hidrogênio para alimentar trens elétricos em sua rede ferroviária regional. No início deste ano, a Siemens e a Ballard Power Systems estavam desenvolvendo uma unidade de célula de combustível para o trem Mireo da Siemens. A Alstom tem um trem de célula de combustível, o Coradia iLint, que poderia estar operacional em pistas do Reino Unido até 2021. Em outros lugares, os ultra capacitores têm sido usados em sistemas de recuperação de energia de frenagem.

A tecnologia de baterias de Ìons de lítio, até agora tiveram pouca exposição na indústria ferroviária, com exceção de uma tentativa chinesa de construir um sistema de trânsito rápido autônomo sem trilhos em Zhuzhou, província de Hunan.